Banner do Blog

Como escolher alimentos in natura

Imagem do post

Você olha para a pilha de cebola e não sabe se tem que pegar a grande ou a pequena, a mole ou a dura, a clara ou a escura? Não se preocupe, você não está sozinho.

Muita gente se enrola um pouco na hora de escolher os alimentos in natura, e não tem problema nenhum. Com a prática de ir à feira toda semana, você acaba pegando o jeito.

Mas a gente resolveu organizar algumas dicas pra facilitar esse trabalho. Afinal, ter os alimentos frescos e variados em casa é o primeiro passo para uma alimentação saudável de verdade. Depois, é só brincar com os cortes, os métodos de cozimento e as combinações de sabor, como a Rita mostra no livro e na série de vídeos no YouTube O Que Tem na Geladeira?.

Compre o que está na época: os produtos da safra estão sempre mais frescos, melhores e mais baratos. E precisaram de menos agrotóxicos para serem produzidos. Os feirantes sempre sabem, claro, mas você também pode consultar a tabela da Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) para saber a época de cada alimento.

Não precisa apertar: usar muita força na hora de escolher os alimentos acelera o envelhecimento deles. Uma leve pressionada vai ser suficiente para conferir a consistência.

Prefira os brasileiros: frutas, legumes e verduras nacionais passam por um período de estocagem e transporte menor e sofrem menos com a baixa temperatura da refrigeração e os inibidores de amadurecimento, por exemplo.

Leve as frutas inteiras: as que já vêm descascadas e cortadas duram muito menos em casa. Escolha as inteiras que não estejam batidas (porque esses amassados também fazem com que elas estraguem mais rápido).

Considere a beleza interior: a natureza não é fábrica, certo? Isso significa que os tomates não são todos do mesmo tamanho, as cenouras não são sempre retinhas, as batatas não são geometricamente perfeitas. E não tem problema nenhum. O descarte de alimentos tortos, por exemplo, muito comum em alguns pontos de venda que buscam padronizar a seleção, aumenta o desperdício de alimentos. 


Fotos: Editora Panelinha