Banner do Blog

Tábua e prancha de corte: o que é o que e de qual você precisa

Imagem do post

O que temos a dizer a um leitor que está querendo investir em uma tábua de corte? Ah, tanta coisa!

A primeira delas: compre duas e use uma para preparações doces e outra para as salgadas. Assim o suco de melancia não fica com retrogosto de cebola – afe.

Este é um utensílio indispensável e merece ser escolhido com cuidado porque há bastante opção de material, tamanho e preço no mercado. Aqui no #EstudioPanelinha, a gente gosta demais das pranchas de bambu, mais confortáveis para trabalhar, e das tábuas de madeira, mais bonitas e leves.

A prancha é uma tábua generosa (a cebola picada fica num canto, o pimentão no outro, até a hora de ir para a panela, sem atrapalhar o serviço da próxima vítima, quer dizer, hortaliça). E o bambu tem fibras mais unidas, portanto menos porosas, o que torna a prancha menos sujeita a umidade. Porque a umidade, mais os resquícios de alimentos que ficam nos riscos feitos na tábua pela faca, pode se transformar em mofo. Aí, meu amigo, temos um foco de contaminação.

Você pode argumentar que o vidro é o material ideal, justamente porque não é poroso. Verdade. Mas ele acaba com o fio da faca, faz o maior barulho, e a tábua fica lisa demais: se o alimento escorregar, a faca pode cortar o que não deve. Aí, temos uma questão de segurança.

Junto com o bambu, o polietileno e a madeira são os materiais mais indicados para a escolha da tábua ou prancha. O plástico é mais barato, mas fica feio mais rapidamente – mancha com a cor dos alimentos e, num certo ponto, começa a soltar pedacinhos. Troque antes disso. A madeira é fácil de encontrar, porém mais porosa – tem que deixar secar bem depois de lavar. Ironia: quanto mais velha, mais bonita ela parece ficar. Hora de dar um upgrade para essa funcionária exemplar: de utensílio, vira decoração na parede da cozinha.

Como limpar
Em qualquer um dos casos, as tábuas desses três materiais devem passar por uma higienização mensal pesada. Mergulhe a tábua por 15 minutos numa assadeira grande com 1 colher (sopa) de cloro para cada litro de água. Retire, lave com água e sabão, seque e guarde até o próximo uso, no lugar mais arejado possível. As de bambu e madeira ainda podem ganhar outro tratamento: espalhe óleo mineral para hidratar, assim elas não racham, pois as rachaduras são outro foco de contaminação.

Voltando ao formato: a prancha impressiona, mas vale avisar que é, além de grande, pesada. Você precisa ter espaço na bancada (e na pia, na hora de lavar...). Se gosta de levantar a tábua para levar o alimento cortado até a panela, melhor usar as pequenas.

Por fim, mais duas dicas importantes, e para adotar já:
1) A tábua é a rainha da contaminação cruzada: microorganismos de um alimento cru, como o frango, são transferidos via utensílios (faca, tábua) a outros alimentos que não vão passar por cozimento. Pode resultar em intoxicação alimentar. Depois de cortar carnes cruas, lave a tábua, a faca e tudo o que encostou na carne antes de cortar qualquer outra coisa.
2) Use a tábua sempre apoiada sobre um pedaço de papel-toalha ou pano úmido. Ela fica fixa na bancada e você faz o seu trabalho com mais segurança.

Foto: Editora Panelinha / por Ricardo Toscani