Banner do Blog

Cozinha Prática: quibe

Imagem do post

Nessa temporada do Cozinha Prática, a gente prepara um prato por dia. Mas você já percebeu que a gente vai fundo e vê muitas versões de cada um. Assim, a cada episódio a gente consegue arejar as ideias. Então, mesmo que você seja craque no quibe, não deixe de assistir o programa até o final. 

Vou mostrar duas receitas surpreendentes, daquelas que, se você está acostumado ao quibe de carne, pode até ficar meio ressabiado. Mas acredite: basta experimentar para entender que a combinação de sabores de cada uma delas é única e incrível.

Mas, para começar, vamos explorar todos os segredos do quibe de carne, bem clássico. E para isso vamos visitar a cozinha da Leila Youssef, do Arabia. Você vai ver que quibe tem seus truques para ficar leve.

Recheio soltinho: Quibe não pode ser um bloco, ele tem camadas.

Trigo sequinho: Não deixe o trigo de molho por muito tempo para ele não encharcar e deixar o quibe molhado.

Ingredientes de qualidade: Isso vale para todos os preparos, mas é sempre bom lembrar, né?

 

Seguindo esses princípios, você vai ver que dá para preparar quibe com diversas combinações de ingredientes.

 

Receita do convidado

Além de dar uma aula de quibe, a Leila também compartilhou com a gente a receita dela de pimenta síria! Essa especiaria que dá o sabor da comida árabe é uma mistura de diversas especiarias. Cada família tem sua fórmula. A ideia aqui é que você se inspire na dela, para entender os fundamentos da pimenta síria, para então criar a sua própria.

Voltando ao quibe, para aprofundar da história das diferentes bases, vamos visitar o Fred Caffarena, pesquisador da comida árabe levantina.

 

O Fred conta que em suas pesquisas percebeu que o quibe é feito com os ingredientes disponíveis. Perto do mar é de peixe, em regiões com menos acesso à carne, é de legumes. No norte do Brasil, o trigo deu lugar à mandioca… Como resume o Fred, mais do que uma receita, o quibe é uma técnica. 

 

Reflexão do episódio

Antes de entrar na cozinha, vamos falar sobre a importância do quibe na memória de quem vem de família de imigrantes. E vamos visitar o chef Stephan Kawijian, do restaurante Sainte Marie, que partiu dos sabores da comida de sua avó para criar até uma versão bem diferente de quibe. 

 

Contemporâneo ou mais tradicional, você vai ver que o quibe é um preparo que passa para geração em geração, muita vezes sem receita escrita ou medida. É um preparo que transporta para uma cozinha a muitas mãos. Comida é um elemento que faz você se sentir em casa, no sentido mais amplo dessa expressão, né, se sentir em casa.

Quando você muda de lugar, você leva a sua cultura alimentar com você.

Imigrantes ou descendentes de imigrantes preservam os pratos do seu país de origem como uma forma de conexão com as próprias raízes. Só que muitas vezes esses pratos típicos eram transmitidos na prática, ou de forma oral, sem receita escrita. E cada família tinha a sua forma de fazer. Portanto quibe não é um só, são muitos.

 

Receitas do episódio

Vou mostrar dois. E inspirada pela mesa levantina, sempre cheia de porções feitas para compartilhar, vou mostrar três saladas cheias de personalidade. 

Vai ter quibe de peixe com recheio de cebola e uva-passa e perfume de limão siciliano, hortelã e salsinha

Quibe de abóbora com ricota, que já virou clássico da cozinha vegetariana.

Uma salada linda de beterraba assada com tahine, combinação que sempre dá certo.

Salada bem refrescante de pepino com hortelã e iogurte. Combina demais com o quibe de peixe.

E uma salada de couve com semente bem cheia de personalidade.

E aí, qual quibe e qual salada você vai experimentar primeiro? 

Cozinha Prática Novos Ares vai ao ar às 21h, no GNT.