Banner do Blog

Depoimentos da quarentena: descobrimento... do pê-efe!

Imagem do post

Nesta semana estou publicando aqui no meu blog uma série de posts com depoimentos de leitores sobre como as lives diárias, as cartinhas, as receitas e o mutirão de dúvidas nas redes sociais impactaram na própria alimentação.

 

Há depoimentos de homens que entraram na cozinha, de gente que aprendeu a cozinhar, que ampliou os horizontes culinários… Hoje, vou dividir com você histórias de pessoas que abraçaram o pê-efe. São apenas alguns trechos – de muitos! Será que essa é a sua história também? 

 

Leia também - Depoimentos: aprendi a cozinhar

Confira - Especial Rita, Help! #FiqueEmCasa

 

Vou começar com a Camila Abrunhosa. Ela resume uma das maiores vantagens do pê-efe: ele facilita demais o planejamento das refeições.


"O que me marcou muito foi a linha condutora do arroz e feijão. Nossa! Isso está me ajudando muito, muito, muito vezes muito. Porque me deu uma forma de organização que faltava (antes eu complicava demais o cardápio e perdia muito tempo na cozinha sem planejar, tentando fazer coisas mirabolantes todo dia). Então combinei com a família (Ah! todos estão participando e meu marido também é freguês e fã) que dia de semana é arroz, feijão e duas hortaliças."


Incrível, né, Camila? Com pê-efe na mesa todo dia e família participando na cozinha, sobra até tempo para fazer outras coisas! E isso é uma questão que vai muito além da alimentação: é saudável em muitos sentidos. As relações ficam melhores. Na maior parte dos lares brasileiros, o acúmulo de tarefas da casa com o trabalho pesa mais para as mulheres e com a quarentena essa desigualdade aumentou. Parabéns para você e para sua família por entrarem juntos na cozinha!

 

Mas vamos voltar ao pê-efe. Agora o depoimento é da Paty Philippelli:


"A criatividade na cozinha é (na verdade era) o meu maior problema! A dica de manter o arroz e feijão, na medida certo no prato, e brincar com os legumes, hortaliças e proteínas pra mim foi o máximo!"

 

Sempre falo que é difícil demais ser criativo todos os dias na cozinha. E até nisso o arroz e o feijão ajudam. Eles resolvem metade do cardápio e você pode ir variando a outra, a das hortaliças, com muita criatividade. E isso sem falar que quando der vontade também dá para usar a criatividade no próprio arroz e feijão – variando o refogado, reaproveitando sobras… O que não dá é para esperar uma inspiração criativa todos os dias para todas as refeições. É desgastante demais!


Agora vamos para o comentário da Ileide que pra mim é um símbolo da confusão alimentar que a indústria dos alimentos conseguiu criar:


Eu tinha o maior preconceito com o arroz e feijão. Aprendi nessas lives que eles não engordam e são maravilhosos de tão gostosos.

Ileide Miklasevicius

 


Que bom, Ileide! Que bom que com as 50 lives da quarentena conseguimos mostrar isso para você (e, tomara, para muitas outras pessoas!). A indústria de ultraprocessados e também a das dietas da moda querem que todo mundo ache o contrário e gaste rios de dinheiro com produtos e programas que prometem dietas saudáveis, mas entregam justamente o contrário: fazem com que as pessoas piorem a alimentação e transformem a comida em inimigo.


Teve também a turma que conseguiu preparar o arroz soltinho e o feijão caldoso pela primeira vez. Gente, vocês não imaginam a alegria que me dá de ver mensagens como a da Lilian e a da Hilana: 


Obrigada por seus ensinamentos! Meu arroz nunca foi tão bom, tão soltinho e saboroso. Aprendi com você!

Lilian


Aprendi a fazer o feijão com caldo mais grossinho (que nuuunca ninguém tinha me explicado direito); o arroz soltinho (mais uma bênção alcançada rsrs) e agora toda semana eu vou no site caçar o que aprender. 

Hilana Pereira

 

Aliás, a Hilana ganhou o prêmio de mensagem mais engraçada. Ela continua:

 

"Sem contar o detalhe que me chamo Hilana e quando a Rita chamava o marido Ilan, durante as lives, eu achava que ela tava quase falando comigo. Um alento pra mim que moro só!"

 

Saudade de ouvir seu nome ser chamado, né, minha filha? Risos.

 

Brincadeiras à parte, como já disse ontem: fico muito emocionada de ler esses depoimentos. Nesse momento tão difícil pelo qual estamos passando, conseguir ajudar as pessoas a preparar refeições saudáveis e balanceadas e, ainda, com isso, ajudá-las a ter planejamento mais eficiente é uma grande recompensa para o nosso trabalho. 

 

No próximo post, o assunto é o homens na cozinha! E se você quer contar sua história, solte o verbo! Pode escrever pra mim e mandar um email para panelinha@panelinha.com.br.