Banner do Blog

Precisa lavar o arroz?

Imagem do post

Muita gente fica chocada quando vê na televisão que não lavo o arroz. A turma corre para as redes sociais, para se certificar de que não foi um erro de edição: “Minha avó fazia o melhor arroz do mundo e ela sempre lavava os grãos!”. Comentários assim são bem frequentes. E, de fato, lavar arroz era um hábito tão comum que aquele utensílio plástico, que é bacia e escorredor ao mesmo tempo, foi inventado por uma brasileira, a dra. Beatriz Zorowich.

 

Aliás, você já ouviu falar na dra. Beatriz? Mulheres empreendoras deveriam ganhar mais destaque... Ela já trabalhava como dentista quando criou o "lava-arroz". Em casa, se incomodava muito com a pia entupida pelos grãos! Numa noite, teve a ideia de criar uma bacia com os furinhos. Comentou com o marido, engenheiro, e juntos fizeram o protótipo, em casa mesmo com tigelas, grampeador e papel-alumínio. Ela patenteou a invenção, que foi lançada comercialmente em 1958. Até uns cinco anos, quando se aposentou, a dra. Beatriz continuou atendendo em seu consultório, em São Paulo. 

 

Voltando ao lava ou não lava, hoje em dia, se o arroz for de uma boa marca, não precisa ser lavado. No beneficiamento, os grãos passam por processos para eliminar impurezas e também o pó de amido, residual do polimento – que deixa o grão mais grudento. Com isso, ganhamos tempo na cozinha, não pelos poucos minutos que gastaríamos lavando o arroz, mas pelo tempo que leva para a água escorrer completamente.

 
Aprenda a preparar arroz passo a passo

 

Um dos truques para o arroz ficar bem soltinho é estar seco na hora de refogar. Por isso as nossas avós, além de lavar o arroz até a ‘água parar de escorrer branca’, também deixavam os grãos secando, uns 10 ou 15 minutos. E esse é o ponto: se você não resiste a uma passadinha de água, tudo bem, mas deixe os grãos escorrendo, antes de refogar – isso garante que o arroz fique soltinho.


Veja 24 receitas para variar o arroz do dia a dia

 

Isso não significa, porém, que você deva de desfazer de seu "lavarroz", como o produto foi batizado pela dra. Beatriz. Ela mesma, em diversas entrevistas, sugeriu que o utensílio também serve para lavar morangos e jabuticabas (que, aliás,  estão na época).