Couve

De textura firme e sabor amargo, a couve pode ser usada em preparos que vão bem além do refogado para acompanhar a feijoada. Quanto mais escura e firme estiver a folha, melhor. O sabor intenso pede combinações que estejam na mesma altura. Por isso couve vai tão bem com bacon, linguiça, pimenta e pimenta síria. Ela também faz boas parcerias com ingredientes ácidos, como laranja e abacaxi.

Imagem do glossário

Como preparar

Crua: vai bem em saladas e sucos. Molhos de salada ácidos deixam a folha levemente macia.
Refogada: o preparo clássico precisa de cuidado. Se refogar demais, fica muito amarga e escura. Fatiada fininha, fica bem macia. Em pedaços mais largos, fica mais firme.
Assada: fica crocante, bem quebradiça e com sabor chamuscado. Os chips de couve são uma versão de alga nori, para petisco ou até para colocar no arroz branco.
Branqueada: fica macia e linda, com tom verde bem vivo. O amargor fica atenuado. É uma ótima opção para fazer trouxinhas e charutinhos.
Cozida: fica bem macia, mas cuidado com o tempo. Se cozinhar demais, perde totalmente a graça. Prefira couve cozida com o macarrão ou arroz. Para comer pura, é melhor refogar.
Frita: fatiada fininho e frita fica a pura crocância, mas perde sabor. Ideal para finalizar pratos como risoto ou sopas.


Melhor época para comprar

De maio a novembro


Como escolher

As folhas devem estar firmes, bem verdes, sem manchas amarelas ou pretas e íntegras - evite as que tiverem muitos furos. Folhas amareladas, moles ou murchas são sinais de couve velha. Em geral, as folhas de couve orgânicas são mais firmes e duram mais na geladeira.


Como armazenar

Em sacos plásticos na área menos fria da geladeira (gavetas ou parte inferior) e sem encostar nas paredes.


Como congelar

A folha pode ser congelada já fatiada ou rasgada. Na hora de descongelar, ela deve ir direto para a panela quente, para ser refogada ou cozida, ou liquidificador, para virar suco. Não é possível usar crua, pois ela perde totalmente a textura.