Ervilha

Tem gosto fresco e combina com outros ingredientes refrescantes, como hortelã, coentro, limão – embora também faça boa companhia a sabores intensos, como do bacon. A ervilha fresca in natura é difícil de encontrar e cara. Mas a versão congelada é uma boa alternativa, com sabor e textura próximos aos da versão fresca (diferentemente da ervilha enlatada, molenga e acinzentada). Não confunda ervilha fresca com ervilha seca nem ervilha-torta (que é outra variedade).

Imagem do glossário

Como preparar

Cozida: fica macia e adocicada. Para que permaneçam crocantes e “estourem” na boca, cozinhe bem pouco. Para purês, podem ficar macias. Ou ainda, bem macias para a sopa. Se for preparar com arroz ou com risoto, a ervilha pode cozinhar junto.
Refogada: absorve o sabor dos outros ingredientes e vira um acompanhamento simples e delicioso. Vai bem com manteiga, azeite, cebola, alho, pimenta, bacon… só cuide para não deixar passar do ponto.
Branqueada: ganha um tom verde bem vivo, fica super crocante e com sabor fresco.
Assada: fica crocante, perde o sabor fresco, mas ganha os sabores das especiarias utilizadas e vira um ótimo petisco. A ervilha deve ser pré-cozida antes de ir para o forno (ou descongelada) e os grãos devem estar bem secos.

 

OBS: Nas receitas do Panelinha, quando for substituir a ervilha congelada pela versão comprada fresca, atente ao tempo de cozimento. A ervilha fresca in natura leva mais tempo para cozinhar.


Melhor época para comprar

De maio a outubro.


Como escolher

Os grãos devem ser bem arredondados, firmes e com a cor verde-clara, evite grãos murchos.


Como armazenar

Em saco plástico, na geladeira.


Como congelar

O grãos da ervilha fresca devem ser branqueados, secos com pano limpo (para evitar a formação de cristais de gelo) e armazenados num saco plástico.