Banner do Blog

Caça aos ovos: crie pegadas de coelho no Domingo de Páscoa

Imagem do post

Tradição em países como a Alemanha, a caça aos ovos é costume também em muitas casas brasileiras. A brincadeira é uma fofura: espalhar pegadas de coelho – feitas de farinha de trigo ou pó de café – para apontar para a criançada o caminho do esconderijo do ovo. É um jeito lúdico de começar o domingo de Páscoa.

Como brincar

Escolha uma cesta, prato, balde (o que tiver,  que a criatividade mandar) e acomode os ovos em panos, palha, guardanapos bonitos (de novo, o que tem aí? Improviso vale). Os ovos podem ser de chocolate, mas se quiser seguir a tradição à risca, prepare e decore cascas de ovos de galinha e recheie com amendoim açucarado <3.


Vídeo: como preparar as cascas de ovos (tirar o ovo e deixar bem limpo)

Vídeo: como decorar as cascas de ovos

Receita: amendoim açucarado


COMO fazer PEGADAS DE COELHO em casa 

  1. Você vai precisar de farinha de trigo, peneira, tesoura, lápis, fita colante e um papel (pode ser sulfite), que vai servir de molde.
  2. Apoie o papel sobre a peneira. Corte em formato redondo, um pouco maior do que a boca da peneira – só para ter uma referência.
  3. Marque o centro do papel e, com um lápis, risque um traço equivalente ao raio: vai em linha reta do ponto central até a borda. Recorte sobre a linha. Crie um funil com o papel e use durex para guardar o formato. Com uma tesoura, corte bem pouco da extremidade do funil.
  4. Apoie o funil numa peneira e preencha com farinha de trigo.
  5. Escolha os pontos certos e dê batidinhas na peneira para que as pegadas se formem no chão – o utensílio deve ficar a no máximo 10 cm de altura para formar a marca central da patinha, e mais perto do que isso para fazer as três menores. Você pode treinar antes, sobre a bancada da pia da cozinha, por exemplo.
  6. Entre uma pegada e outra, apoie a peneira num prato, assim a casa não fica suja de trigo...
  7. Reponha a farinha de trigo se necessário.


Vai fazer uma sujeirinha? Sim, mas vai ser divertido até dizer chega, não vai?


Foto: Editora Panelinha / por Ricardo Toscani