Banner do Blog

Cozinha Prática: 10 soluções para melhorar a alimentação

Imagem do post

Para quem está disposto a cozinhar, manter uma alimentação saudável pode ser simples – apesar de este tema ser tão complexo! Enumerar os conceitos que definem a alimentação saudável sem uma aplicação prática, poderia deixar a conversa abstrata, um pouco árida, talvez.

Quem acompanhou os treze episódios inéditos da sétima temporada do Cozinha Prática (que está reprisando no canal GNT), pode ter notado que, além das receitas, das visitas às cozinhas e dos painéis de inspiração, a cada programa mostramos soluções para os principais obstáculos que afastam as pessoas da boca do fogão.

Visitar pessoas com diferentes perfis – solteiros, casais, famílias... – foi uma espécie de truque para a gente mostrar na prática alguns princípios da alimentação saudável. Ou seja, a gente mudou um pouco o formato, incluindo personagens que dessem cara a esses conceitos, para falar da mesma coisa. Deu certo? Ah, a gente adorou.

Revendo os episódios, fiquei com vontade de listar aqui as principais soluções para uma alimentação saudável, de verdade, que nossos convidados ilustram tão bem.

1. Coma comida
Alimentação saudável passa pela cozinha de casa
Todos os convidados da temporada têm uma coisa em comum: não abrem mão de comer comida de verdade, feita em casa, a partir de alimentos de verdade – bem diferente da comida pronta, feita e temperada na fábrica, repleta de aditivos químicos. E isso vale para o casal Patrícia e Carlos, do primeiro episódio, até o Ricardo John, que é pai de família, do 13º programa, que fecha a temporada. Eles preparam saladas, peixe, carne, massa, arroz e feijão, uma sopinha. Seja congelada, seja feita na hora, é tudo comida de verdade – e tá todo mundo satisfeito, sabe por quê? Porque quem cozinha come melhor.


2. Aprenda a cozinhar
Ganhe autonomia e transforme a obrigação em prazer
Para quem não sabe cozinhar, transformar alimentos in natura num prato saboroso pode ser um abacaxi e tanto. E o resultado pode ser frustrante. Cozinhar é como ler e escrever: todo mundo deveria saber. Mas é também como ler e escrever porque a gente não nasce sabendo. Ninguém conta, mas cozinhar não é dom, é aprendizado. E quem sabe cozinhar tem mais chances de se divertir na cozinha. Nesta temporada a gente conheceu muita gente que cozinha com prazer. Impossível não lembrar do Rogerio, que é cenógrafo e investiu num curso profissional de gastronomia apenas para lapidar suas habilidades culinárias. Sem contar que ele equipa a cozinha de casa como ninguém!



3. Coma sem culpa
Faça as pazes com a mesa
Ok, a gente explorou mais o cozinhar do que o comer nesta série. Mas a gente também sabe que comer sem culpa, sem medicalizar a alimentação, sem ficar pensando em nutrientes, é essencial para uma alimentação saudável. Por quê? Quando você fica pensando nos benefícios dos alimentos, acaba criando uma relação de inimizade com a comida. Quer ver? Tem glúten? Não como. Lactose? Nem pensar. E aí, o bom e velho pão na chapa, tão maravilhoso, fica sem vez na fila. O segredo é saber diferenciar comida de verdade de comida de mentira. Comida que vem da natureza, de comida que vem da fábrica. Aí, pode fazer como o Ricardo John e assar um porco inteiro para celebrar a vida com os amigos, sem medo de ser feliz. Não foi à toa que, nesse episódio, escolhi preparar um hambúrguer. Caseiro, com ingredientes que são comida de verdade, e sem exagero de sal, olha que bonito que ficou.

4. Divida as tarefas
Transforme a alimentação em responsabilidade de todos
Na casa da Patrícia e do Carlos, um faz as compras, o outro cozinha. Na cada da Rafa e da Dani, uma cozinha e a outra põe a mesa. Ninguém precisa dar conta de fazer tudo sozinho. Aliás, a alimentação da casa pode – e deve – ser responsabilidade de todos.

5. Planeje
Compre e cozinhe na medida
Vamos para as dicas práticas? O apelo da comida comprada pronta, feita na fábrica, ganha força em dias de pressa, preguiça ou geladeira vazia. Um dos truques é estocar no congelador comida pronta, só que feita em casa. Você pode se planejar e cozinhar um monte de uma vez, como mostrou a Silvia. Ela mora sozinha mas não deixa de comer comida caseira em todas as refeições. Como? Monta um cardápio para o mês, tira um fim de semana para cozinhar e congelar as refeições, já em porções individuais. Mas planejamento também é encontrar a melhor maneira de fazer as compras na sua casa, uma lista de compras que funcione, a melhor forma de conservar os alimentos e de montar um cardápio. E pra isso não tem uma fórmula. A Patrícia e o Carlos fazem só duas compras por mês. Já o Rogério pode ir até duas vezes ao dia ao supermercado. O segredo é encontrar a melhor fórmula pra você.

6. Resgate as tradições
A resposta certa é arroz-e-feijão
Olhar para hábitos regionais inspira refeições saudáveis. Arroz com feijão é uma combinação nutricionalmente riquíssima, e você não precisa entender de nutrientes para saber que a dupla funciona: o fato de ela ser a base da alimentação do brasileiro já sinaliza para isso. Países que mantêm suas tradições alimentares têm os menores índices de obesidade. Na dúvida, pergunte-se: minha avó reconheceria isso como comida? Bem no começo da temporada, visitei a cozinha da Helô, onde a tradição, a história, o patrimônio dão a tônica tanto da pesquisa da chef quanto de sua vertiginosa cozinha de colecionadora, cheia, abarrotada, de objetos.

7. Utensílios aliados
Monte um bom arsenal para você
Utensílios de cozinha adequados às suas ne cessidades facilitam tanto, mas tanto, que nem sei. Para começo de conversa, tenha facas que cortem. É melhor ter uma boa faca do que cinco facas ruins. Invista. Mas dá para ir pro extremo, que nem o Rogério, que tem uma cozinha superequipada e usa aparelhos hi-tech para preparar comida para si mesmo todos os dias. O Wagner tem uma coifa cheia de ímãs, onde gruda utensílios mil. A Lena foi lá na casa da mãe dela atrás de uma máquina de cortar massa. Eles sabem que, com o utensílio certo, tudo fica mais prático e mais fácil na cozinha.

8. Ingrediente curinga
Descubra qual é o seu
Então, pronto: você tem uma cozinha incrível e utensílios mil. O que cozinhar nela? Há muitas possibilidades, mas se você está lendo este texto é porque se interessa por uma alimentação não só saudável, mas também prática. Ah, nesse ponto a Graça deu uma aula pra gente. Ela morou na Itália e aprendeu a cozinhar de um jeito rápido, apostando na despensa: só dá ingrediente curinga por lá. São aqueles itens que resolvem a vida – mas que nada têm a ver com abrir um pacote de comida pronta feita na fábrica, claro. São ingredientes que ficam prontos rapidinho, e que são versáteis: viram refeição leve ou completa dependendo de como são preparados, como o grão-de-bico, o cuscuz marroquino, ovos e macarrão.

9. Comensalidade
Sempre que possível, coma em companhia
Existem muitos jeitos de comer. Você pode comer na correria, sem prestar atenção, na frente da TV, de pé. E você pode se sentar à mesa, olhar para o alimento, curtir a refeição e dividir esse momento com pessoas queridas – isso é alimentação saudável de verdade. Jantar em família é um hábito na casa do Ligabue, um pai de duas meninas que cozinha intensamente, e que também coloca as meninas para ajudar. Dessa forma, vai criando nelas o hábito de cozinhar – elas vão entendendo que essa é uma atividade natural da vida adulta, sem drama; não é ótimo? Atitude que influencia 100% no item 4, divisão de tarefas. Ah, na mesa posta não deve ter lugar para a Peppa Pig, se é que você me entende. Melhor só comer com pessoas, sem eletrônicos.

 10. Decore o ambiente
Deixe a cozinha mais atraente
Falar de decoração foi o que a gente mais fez na temporada. Em cada um dos 13 episódios você pôde conferir o quadro do painel de inspiração, com um monte de ideias emprestadas das cozinhas visitadas no dia, para quem quisesse aplicar em casa. Cada ideia boa! A grande sacada é deixar a sua cozinha com mais cara de sala: um lugar acolhedor, onde também se pode receber – a Maguy, com aquela cozinha-sala-de-jantar, que o diga, né? A Stella não fica de fora desta lista, com cozinha ampla voltada para o jardim; nem a Beta, que cozinha conversando de frente para o pessoal de casa, pendurado no balcão. Até a pequeníssima cozinha do Carlos e da Patrícia é um bom exemplo: planejada, com tudo no lugar; um ambiente agradável para sentar, comer, papear. O investimento compensa, pois um ambiente acolhedor deixa o cozinheiro mais feliz, com vontade de ir para a frente do fogão – nossa intenção principal com esta temporada, certo?