Banner do Blog

Bastidores: a batedeira azul claro

Imagem do post

Só de bater o olho nesta foto daria para intuir que estou fazendo uma receita cheia de histórias e que é, possivelmente, uma daquelas preparações passadas de geração para geração. Certo? Os objetos, ou a ‘arte’ – que é como chamamos internamente no Estúdio Panelinha tudo que compõe o cenário –, reforçam a mensagem de cada projeto. Eles comunicam de forma subliminar... Não por acaso, escolhi usar essa batedeira azul na primeira receita do primeiro episódio da nova temporada do Cozinha Prática.  

 

Quando começo a pensar numa temporada, além do tema e das receitas, reflito também sobre a direção de arte. A geladeira ganha uma cor vibrante se a ideia é mostrar que dá para chegar em casa e ainda se divertir na cozinha. Lembra da temporada dos cardápios rápidos, que podem ser feitos enquanto a gente dança na cozinha? Se o objetivo é valorizar o arroz com feijão, os objetos selecionados são em tons de verde e amarelo. Reparou nas produções da temporada dos pê-efes? 

Cores bem brasileiras na temporada dos pê-efes.

Geladeira azul, vibrante e divertida na temporada dos cardápios rápidos.

Objetos e móveis que resgatam outras épocas no cenário da nova temporada de receitas com memórias.

 

Mundo das memórias

Desta vez, porém, o objetivo é valorizar o prazer de comer – e de cozinhar. E a forma que encontrei para fazer isso, sem virar gourmet (risos), foi dando sentido à comida através das memórias, das lembranças que as receitas trazem.

As Memórias das preparações dão sentido à comida e valorizam o prazer de comer e de cozinhar

Para representar essa ideia de memórias no cenário, o meu ponto de partida foi um papel de parede paislay – estampa indiana, também conhecida como cashmere, que se popularizou na Inglaterra no século 19 e virou febre no ocidente todo na década de 1970. (Não é incrível como papel de parede faz a gente viajar no tempo?) A partir dele, ajustamos a cartela de cores: a base é um creme amarelado, que ganha pontos específicos de vinho e de rosa e alguns com toques de azul em tons variados, como o da batedeira.

 

 

Logo no primeiro episódio, a receita principal, que puxa duas outras – um suflê de chocolate e outro de cenoura –, é uma gemada. Mas não uma gemada qualquer. É a gemada da minha mãe, única memória que meus irmãos e eu temos dela na cozinha. Quando éramos pequenos, minha mãe não cozinhava, e se orgulhava disso – é da geração que abandou as panelas para conquistar o mercado de trabalho. (Hoje, até que arrisca um risotinho...) Só isso já renderia uma boa história. (Totalmente Freud explica.) Mas escolhi começar a temporada com essa receita também porque o ovo simboliza o início, a vida. Achei que seria bonito: uma receita da mãe com o alimento que representa o começo, a forma perfeita.

 

Por isso, para reforçar essa ideia, além do papel de parede, da batedeira antiga, do movelzinho vinho – e de vários outros objetos que sinalizam que esta é uma temporada que tem a ver com memórias, com lembranças –, tem uns ovos a mais espalhados pelo cenário.

 

 

No preparo dos dois suflês, deixo de lado a batedeira retrô e volto a usar uma das minhas batedeiras atuais, porque essas receitas me trazem memórias de outras épocas da minha vida, quando eu fui morar em Nova York para fazer um curso de gastronomia. Achei que não fazia sentido continuar usando a batedeira azul. Ela, aliás, é do #AcervoPanelinha. Comprei numa loja de coisas usadas na Vila Madalena, há mais de 15 anos. É um modelo de 1950, que além de continuar funcionando, ainda ajuda a comunicar o tema da temporada.

O que ela não comunica, mas eu conto para você, é que mesmo sem uma batedeira, com um pouco de muque e um bom batedor de arame, dá para preparar todas as receitas do episódio. Elas estão relacionadas aqui no blog.

 

Bolo de quê, feito como?

E falando em batedeira e muque, todos os bolos do Panelinha agora estão separados em categorias que indicam o método de preparo: se é de batedeira, de liquidificador ou batido à mão. Assim fica mais fácil você encontrar exatemente a receita que vai preparar!

 

Bolos de batedeira

Bolos de liquidificador

Bolos batido à mão