Banner do Blog

Alimentação saudável passa pela cozinha de casa

Imagem do post

Há pouco tempo, lendo sobre fake news, fiquei me perguntando se havia alguma semelhança entre o impacto de notícias falsas na nossa saúde e o consumo de ultraprocessados. Em outra palavras: será que existe algum paralelo entre fake news e fake food? Para explorar o assunto, convidei para vir cozinhar comigo o Ronaldo Lemos, advogado, professor da Columbia University, especialista em mídias e tecnologias – e que ainda apresenta o programa Navegador (Globonews)! 

Para dar mais uma camada de sabor à conversa, propus ao Ronaldo que preparássemos um cardápio que servisse de resposta para uma dúvida muito comum quando as pessoas descobrem que tempero pronto é um ultraprocessado infiltrado na cozinha do dia a dia. "Mas como é que eu vou temperar a comida?" 

As receitas do programa foram pensadas para mostrar várias formas de temperar a comida: com ervas, com especiarias e com legumes aromáticos. Muito bem, mas e o paralelo entre fake news e fake food? Depois da minha conversa com o Ronaldo, uma coisa ficou clara: os dois causam danos sérios à saúde das pessoas. A comida de mentira está diretamente ligada à epidemia global de obesidade e doenças relacionadas. Já as notícias de mentira estimulam a intolerância e os extremismos relacionados.

Sabe aquele slogan "é impossível comer um só"? Ele é verdadeiro, porque os alimentos ultraprocessados estimulam o comer compulsivo. Eles costumam ter quantidades exageradas de sal, açúcar, gordura e aditivos químicos, que viciam o paladar e são nutricionalmente desbalanceados. E mais, são hiperpalatáveis e, por isso, em comparação, a comida de verdade fica parecendo sem graça, sem sabor. E não é que o mesmo acontece com quem se informa com noticias falsas? Elas viciam, porque causam uma espécie de adrenalina, dão uma sensação de urgência e, por isso, muitas vezes as pessoas repassam, sem perceber que se trata de uma mentira.

Outro paralelo entre as duas está na manipulação. "As notícias falsas são feitas por alguém que quer que você acredite em alguma coisa, seguindo uma agenda que pode não ser a melhor para você", comentou o Ronaldo no começo do programa. Sacou o paralelo com os alimentos ultraprocessados? Você lê a embalagem e acredita que está fazendo um ótima escolha, porque está escrito 'saudável' em letras garrafais, quando na verdade a lista de ingredientes do rótulo mostra que não passa de uma imitação de comida, que não faz bem para você.

Existe, porém, uma diferença importante entre fake news e fake food. Ao menos no âmbito privado, sabemos como resolver o problema da comida de mentira: cozinhando! Quem come comida de verdade, feita a partir de ingredientes que vêm da natureza, transformados em refeições gostosas na cozinha de casa, está protegido da fake food e garante uma alimentação saudável.

Esta semana, o Ronaldo Lemos e eu vamos preparar frango ao leite de coco, temperado com sementes de mostarda, erva-doce, páprica, pimenta-de-caiena e cúrcuma – e ainda tem um ingrediente secreto! Para acompanhar, chuchu e couve-flor assados  com cominho e canela. E o arroz sete cereais vai ser frito com cenoura e gengibre. É comida de verdade, com temperos de verdade! Você vai ver que até chuchu e frango ficam saborosíssimos, sem precisar de tempero pronto. E isso não é fake news.

Você não pode perder esse episódio. Nos vemos na quinta, às 21 horas, no canal GNT?