Banner do Blog

Tomate: molho, extrato, passata ou pelado?

Imagem do post

Ninguém precisa fazer molho de tomate do zero sempre que ficar com vontade de comer macarronada. Achar tomates maduros e cozinhá-los por tempo suficiente para que virem molho não é uma tarefa que cabe no dia a dia. Mas os molhos de tomate comprados prontos, já temperados, são produtos ultraprocessados, carregados de aditivos químicos e, pior ainda, com alto teor de sódio. Fazem mal para a saúde.

A boa notícia é que a indústria oferece atalhos incríveis para que o preparo do molho tomate caseiro seja mais rápido. Eles ajudam a resolver a cozinhança no dia de pressa sem incluir produtos ultraprocessados na sua alimentação.

A chave para saber o que comprar está na lista de ingredientes do rótulo: se tem tomate, água, sal ou açúcar, tudo bem. No caso dos produtos de tomate, também pode aparecer o "Regulador de acidez: ácido cítrico" (a substância está presente na composição da própria fruta).

Com os atalhos na manga e as receitas do Panelinha, dá para incluir molho de tomate no cardápio do dia a dia sem dificuldade.


Molho de tomate pronto: ultraprocessado
É ultraprocessado (basta bater o olho na lista de ingredientes: tem muito mais do que tomate e cebola ali). É aquele que basta aquecer e despejar sobre o macarrão cozido. 


Extrato de tomate: comida de verdade

Aqui precisa ler a lista de ingredientes e tomar cuidado com as armadilhas. O extrato de tomate nada mais é do que o tomate cozido, apurado, com sal e açúcar. É um ingrediente culinário, pode ser usado em receitas e é um alimento processado, na classificação dos alimentos por grau de processamento. Agora cuidado com produtos tipo "extrato de tomate temperado com cebola e alho": nesses pode haver aditivos químicos, aí vira ultraprocessado. Então, olho na lista de ingredientes do rótulo. 

 

Passata de tomate: comida de verdade

É a polpa de tomate cozida, sem pele e sem sementes, com adição de sal. É um produto processado – pode fazer parte da alimentação, mas não deve ser a base dela. No geral vem batida, na forma de um purê. É um atalho para molhos de tomate, como o do espaguete com almôndegas.


Tomate pelado: comida de verdade

Ingredientes: tomate, suco de tomate e regulador de acidez. É um produto minimamente processado e está na categoria dos in natura e minimamente processados, os alimentos que devem ser a base da alimentação. A grande vantagem do tomate pelado é que ele leva minutos para se transformar em molho. É sério: olha essa receita de molho de tomate pelado. São minutos. É ingrediente esperto para ter na despensa e preparar shakshuka, ensopado rápido de frango, ensopado de abobrinha, tagine rápida de legumes, macarrão à putanesca e um punhado de outras receitas pá-pum.

 

Molho caseiro: comida de verdade

Você pode comprar tomates maduros (ou usar passata ou tomate pelado) e preparar um panelão de molho, porcionar e congelar. Aí no dia a dia é só descongelar e pronto! Não é um preparo difícil e se você seguir as dicas da Rita Lobo para congelar o molho (no saquinho, apoiado em uma assadeira) o seu congelador não vai ficar congestionado de molho de tomate.

Na prática

Transição. Se estiver acostumado ao molho pronto, tire um tempinho para preparar um panelão de molho e congelar. Assim, na hora de usar molho de tomate, basta abrir a embalagem. Mas, com o tempo, conforme desenvolver habilidades culinárias, você vai conseguir preparar molhos rápidos com passata ou tomate pelado. E poderá usar os dois recursos dependendo do caso.

Preparo. Navegue pelas receitas de molho de tomate do Panelinha e encontre a que funciona para você. Tem molho rápido, rústico, para pizza, que vai ao forno, que leva manteiga, que não precisa nem refogar… Aproveite e assista ao episódio Rita, Help! Molho de Tomate, em que a Rita responde às perguntas mais comuns sobre o tema. 

Receitas. A troca vale também na hora de cozinhar. Vai fazer lasanha, ensopados, shakshuka: use molho caseiro ou tomate pelado.

 Assista no canal Panelinha no Youtube: